Vamos descobrir a história e a relação entre jejuns, saúde e espiritualidade?

 

A prática de jejuns é antiga em nossa sociedade, tanto para fins de manutenção da saúde quanto para cultivo de espiritualidade. Afinal, é uma prática de desintoxicação e de realinhamento das funções de nosso organismo e auxilia na cura de enfermidades.
Em nossa Pousada em Aiuruoca – Reserva Ecológica Canto do Papagaio, acreditamos que toda a prática de jejuns exige responsabilidade e conhecimento. Por isso, decidimos falar um pouquinho sobre o assunto com vocês.

 

Quais são os benefícios dos jejuns?

Jejuar é um processo que auxilia no desenvolvimento de autodomínio, ao fortalecer nossa determinação de nos privarmos daquilo que gostaríamos de comer. E isso nos faz desenvolver disciplina, essencial na conquista de nossas metas e objetivos.
Através da prática de jejuns desenvolvemos clareza mental, controle sobre o ego e, principalmente, autoconhecimento.

Aliás, a ciência nos diz que jejuns intermitentes combatem doenças graves como diabetes, doenças cardiovasculares, epilepsia e até o câncer.

 

Ação corpórea e mental

Quando deixamos de comer por um período, nosso corpo realiza um movimento de limpeza. Assim, importantes processos de reparo celular e alteração dos hormônios são ativados para tornar a gordura corporal armazenada mais acessível. Há redução nos níveis de insulina e aumento do hormônio do crescimento humano.

Ou seja, nosso corpo manifesta uma capacidade impressionante de se adequar e de escolher o que realmente precisamos durante os jejuns.
Quando realizamos jejuns em nossa Pousada em Aiuruoca percebemos claramente uma desintoxicação em nossos corpos e em nossas emoções.

Então, se nos propormos a também seguir regras e colocarmo-nos à prova com o intuito de evoluir, jejuar pode ser um caminho atrativo para a abertura da nossa intuição e do silêncio interno.

 

Tenho medo de jejuar

 

Existem vários profissionais e estudos que indicam que o jejum pode ter efeitos poderosos sobre o cérebro, trazendo mais qualidade de vida.

Porém, mesmo com estas informações, é natural que muitos ainda tenham medo de jejuns.

Mas os seres humanos sempre fizeram jejuns intermitentes.

Por exemplo, todos fazemos jejuns durante o sono. E se realizamos a última refeição às 20h e no dia seguinte somente almoçamos, chegamos a ficar até 16 horas em jejum tranquilamente.

Aliás, todos os processos no nosso organismo mudam quando deixamos de comer por um período. Isso ajuda o corpo no funcionamento dos órgãos e na sua regeneração.

Os níveis de açúcar no sangue caem, aumentando a quantidade do hormônio do crescimento.

 

Jejuns, saúde e espiritualidade

 

Na tradição de bhakti-yoga, seguimos as instruções dos Vedas em relação à prática de um tipo de jejum muito importante que compartilhamos com vocês, chamado Ekadashi.

Este jejum acontece sempre no 11º dia da quinzena lunar, duas vezes por mês, sempre após a lua cheia e a lua nova.

O Ekadashi é um dia recomendado para jejuns e para prática de austeridades que nos purificam. E essas austeridades podem ser evitar dormir durante o dia, evitar praticar sexo, evitar cortar unhas e cabelos, evitar barbear-se e evitar divertir-se com coisas mundanas.

Toda esta prática, além de proporcionar os benefícios que mencionamos, auxilia na diminuição das demandas corpóreas, fazendo com que nos lembremos mais de Deus e O adoremos.

A tradição védica diz que no dia do Ekadashi a ignorância habita os grãos e os cereais. Por isso, faz-se jejum total de grãos e cereais, dedicando-se a glorificar a Deus em qualquer uma de Suas formas.

Portanto, come-se frutas, lácteos, raízes, folhas, evitando arroz, feijões, trigo, milho etc.

No dia seguinte, após o nascer do sol, depois de se adorar a Deus, o jejum pode ser quebrado.

Sabemos que muitas vezes ao longo do dia nos sentimos saturados e cansados.

Em nossa Pousada em Airuoca, uma das propostas do Detox dos Sentidos é justamente a de proporcionar não um refúgio através da prática dos jejuns, mas fazer um bom uso de todas as ferramentas nas quais acreditamos.

Estas ferramentas podem fazer a diferença para boas escolhas que nos renovem e nos aproximem de quem realmente somos.